Delator diz que repassou R$ 300 mil para Aécio, afirma jornal | Congresso em Foco | O CLARO: "“E o Aécio Neves não é da oposição?”, teria perguntado Rocha. O diretor da UTC teria respondido, na versão do delator: “Aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, … todo mundo”."

Delator diz que repassou R$ 300 mil para Aécio, afirma jornal | Congresso em Foco

“E o Aécio Neves não é da oposição?”, teria perguntado Rocha. O diretor da UTC teria respondido, na versão do delator: “Aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, … todo mundo”.

Aécio nega recebimento de R$ 300 mil
Entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef afirmou, em sua delação premiada, já aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que repassou R$ 300 mil a um diretor da UTC Engenharia, no Rio de Janeiro, tendo sido informado, na ocasião, que a quantia era destinada ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). As informações são do jornal Folha de São Paulo.
Carlos Alexandre de Souza Rocha, o entregador de dinheiro, afirma ter conhecido Youssef em 2000. A partir de 2008, passou a fazer entregas de R$ 150 mil ou R$ 300 mil a vários políticos.
Rocha, mais conhecido como Ceará, declarou que em 2013 fez “umas quatro entregas de dinheiro” a um diretor da UTC de nome Miranda, no Rio.
O diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana, confirmou, também durante depoimento, que o diretor comercial da empreiteira no Rio chamava-se Antonio Carlos D’Agosto Miranda e “guardava e entregava valores em dinheiro, a pedido”, fosse dele ou de Ricardo Pessoa, dono da UTC.
Pessoa, que também fechou acordo de delação premiada, não mencionou repasses a Aécio, a exemplo de Santana. Em uma das entregas, que teria ocorrido entre setembro e outubro daquele ano, Rocha disse que Miranda “estava bastante ansioso” pelos R$ 300 mil. Estranhando a ansiedade do diretor comercial, Ceará quis saber o motivo.
“Cobranças”
Miranda teria reclamado que “não aguentava mais a pessoa” lhe “cobrando tanto”. Rocha disse que perguntou quem seria, e o diretor teria respondido “Aécio Neves”, ainda de acordo com o depoimento do delator.
“E o Aécio Neves não é da oposição?”, teria perguntado Rocha. O diretor da UTC teria respondido, na versão do delator: “Aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, [...] todo mundo”.
Em 2014, o comitê da campanha presidencial do tucano em 2014 recebeu R$ 4,5 milhões da UTC. As doações foram declaradas à Justiça. A campanha de Dilma recebeu R$ 7,5 milhões.
Consta também do depoimento que Rocha disse ter manifestado estranheza sobre o local da entrega ser o Rio de Janeiro, já que Aécio “mora em Minas”. A resposta de Miranda: o político “tem um apartamento” e “vive muito no Rio de Janeiro”.
O delator ressalvou que não viu a entrega do dinheiro ao senador e se disse “surpreso” com a informação. Os depoimentos de Rocha e de Santana aconteceram em 1º de julho e 4 de agosto, respectivamente.
Santana afirmou que Miranda não tinha “nenhuma participação no levantamento do dinheiro para formar o caixa dois” da construtora UTC, mas avaliou que “pode ter acontecido algum episódio em que o declarante ou Pessoa informaram a Miranda quem seriam os destinatários finais da entrega”.
“Falsa”
Por intermédio de sua assessoria, Aécio Neves classificou de “absurda e irresponsável” a citação a seu nome, “sem nenhum tipo de comprovação”.
“Trata-se de mais uma falsa denúncia com o claro objetivo de tentar constranger o PSDB, confundir a opinião pública e desviar o foco das investigações”. A assessoria realça o fato de Ricardo Pessoa, dono da UTC, não ter incluído o senador mineiro na lista de quem recebeu recursos da empresa, no escândalo da Petrobras.
“A falsidade da acusação pode ser constatada também pela total ausência de lógica: o senador não exerce influência nas empresas do governo federal com as quais a empresa atuava e não era sequer candidato à época mencionada. O senador não conhece a pessoa mencionada e de todas as eleições de que participou, a única campanha que recebeu doação eleitoral da UTC foi a de 2014, através do Comitê Financeiro do PSDB”, diz ainda a nota.
Já UTC disse que “a acusação não tem fundamento”.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

目標博客OABRJ(利維坦)與費爾南多克拉羅·迪亞斯,律師 - 成立於1982,2012年創建 | Mùbiāo bókè OABRJ(lì wéi tǎn) yǔ fèi'ěrnánduō kèlā luó·dí yà sī, lǜshī - chénglì wū 1982,2012 nián chuàngjiàn

Ciele Blog OABRJ (Leviathan) VERZUS Fernando Claro Dias, právnik, sa tvoril v roku 1982, ktorá vznikla v roku 2012

Objectives Blog OABRJ (Leviathan) VERSUS Fernando Claro Dias, lawyer, formed in 1982, UFRJ, created in 2012, read and more than 110 parents, with 245 thousand hits on this date